Minha barriga dói. Meu estômago, na verdade. Aquelas borboletas no estômago não estavam muito bem. Pareciam doentes. Mas não era uma doença fácil de curar. Não era uma gripe, uma virose ou qualquer dessas. Antes fosse, não seria tão doloroso para elas e pra mim. É aquele tipo de doença em que quando você descobre rápido ainda tem tempo de cura, sabe? Doença que despedaça. Destrói. Desmorona. Elas tremiam dentro de mim, por causa da febre muito alta. Sentia uma a uma desmaiando. Pedaços de suas asas caíam em meu estômago, de uma maneira pesada. Algumas não estavam doentes... Ainda. Estava uma confusão. Sentia algumas delas dançando, rindo e sobrevoando sobre meu estômago, mas eram poucas e não sentiam muita vontade de dançar vendo suas amigas se decompondo. Já estavam com pena de suas amigas. Ficavam doentes só de olhar.
Se as próprias borboletas não aguentavam essa situação, imagina eu? Tentava acreditar que as borboletas doentes podiam se curar, ou conviver uma vida tranquila com isso, mas não era o que acreditava no fundo ao sentir as dores das perdas. Queria acreditar que as borboletas que ainda tinham forças, alegria não iriam se abalar pela doença. Mas já estavam.
Agora entendo o quanto as borboletas podem ser assustadoras. Ainda mais quando param de respirar.


Deixe um comentário

Leia as Regras:
Todos os comentários são lidos e moderados, antes de qualquer coisa. São publicados os que respeitam as regras:

- Pode haver críticas construtivas, são sempre bem vindas, mas nada de xingamentos.
- Não venha no meu blog somente para colocar o seu link e propaganda, se eu me interessar eu vejo o seu blog.
- Comente coisas que tenham a ver com o texto.
- Nada de links de propaganda de loja, canal e afins.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...