Você tem que fugir, comer e desaparecer; Provar inexistência ao lado do próximo para que outro viva de maneira plena e feliz, para que sua existência tenha valor. E você? Se esconde debaixo da cama e das cobertas, no armário e nas gavetas. Esconde seu pé, sua mão, seus braços e pernas, seu olhar, seu dizer, seu sentimento e sua respiração... Se esconde por inteiro, foge com todas suas forças e deletas as lembranças. Se esconde nela mesma, dentro de si, dentro de um baú que vive num buraco negro chamado coração.
Ela sente que existir só faz mal aos que estão ao seu redor, cada dia dobra, triplica e quadriplica o número de pessoas mais felizes com a sua inexistência, seu esforço de ser invisível, seu esforço de suas dores estarem silenciadas e lágrimas contidas.
Por fim, guarda para si as dores, as mágoas, falsa esperança e aos poucos deixa de existir, e de sofrer, quem sabe?


Ela não entendia, por isso ignorava e nem perguntava, era também cheia de críticas e ordens pois esquecia de entender. Usou-se da frase "Que estranho, eu nunca tive essas coisas" lidando como se fosse uma gripe, febre ou até mesmo "fase" adolescente. Junto disso, criticava minha memória com frases "Você nunca sabe onde está sua chave, quando vai aprender?" e "Você não lembra de nada, meu deus!" sem saber que minha memória de fato estava afetada e eu estava fazendo o possível e impossível para melhorar isso.
Outro dia, na verdade vários dias, reclamou que eu só ficava no meu quarto ou que dormia o dia inteiro e isso era um absurdo... Mais uma vez ela esqueceu de entender, ela não entende que eu não fico o dia todo no quarto porque sou uma inútil ou durmo o dia inteiro porque sou preguiçosa, é somente meu corpo reagindo a coisas que minha mente não pôde suportar.

Adoraria se ela me perguntasse "Como está se sentindo hoje?"



Pela primeira vez na vida, digo segunda na verdade, eu estou ficando animada e sorridente com a faculdade, ouvindo musicas para dançar a cada passo que dá certo. E se algo dá errado? Eu não ligo, só faço uma reviravolta até dar certo e fico feliz novamente! E como dá certo viu? Acho que a maneira como estou levando as coisas faz com que elas me levem com felicidade também. E o fato da faculdade ter sido tanto maçante semestre passado faz com que esse esteja brilhante.
E a serotonina sobe, e o prazer em fazer as coisas que eu gosto também. É tão magnifico que se um espirro for importante pra mim eu vou dar risada, pulinhos de alegria e dançar de tão feliz, porque aquilo me faz bem... Fazia um bom tempo que não me sentia assim, motivada pelas coisas a minha volta, motivada por mim mesma, e até mesmo entediada quando não tenho nada da faculdade pra fazer por exemplo... É a faculdade tá sem uma parcela enorme da minha felicidade, o que eu julgaria impossível depois de tudo que já aconteceu.
Eu quero estar ativa, dinâmica, fazer e fazer coisas, ok que ainda fico um pouco ansiosa para que dê certo logo e nada dê errado, essa neura que sempre tive e acho bem difícil de passar. Mas eu estou enxergando o mundo de uma maneira que nunca enxerguei antes, com o bom e o ruim, sendo que o bom é mais importante e relevante, e o ruim? Vamos transformar em algo fantástico!


Eu sou aquele que você sempre julgou, achou que estava errado, o dono da verdade, mas na versão que você ama. Aliás, ama e odeia ao mesmo tempo, sonho e pesadelo.
Sou um sábio nao graduando preso na area movediça do ensino há anos, porém sou sábio, o mais sábio de todos. Sou mais sábio que o seu professor graduado, pós graduado, mestre e doutor. Professor também com experiência de 20 anos academico e 50 de vida, poliglota e intercambista.
Mas pra mim esses titulos não são nada e não fazem dele alguém. Ele é um generalista, não sabe nada de exatas pra ousar falar de porcentagem ou pesquisas feitas na folha, quantitiva ou qualitativa, generalista babaca, generalista escroto, burro! Já ouviu falar que a margem de erro é muito pequeno?
Pobre sábio, se diz tão sábio mas não sabe o foco, não sabe fazer a pergunta certa e muitos menos entender a diferença quando se fala de cada ciência, não sei se choro, esmurro um travesseiro ou fujo pra todo sempre.


Não sou de assistir novelas, mas as notícias correm pela nossa querida rede internet e escândalos mais ainda! Quem não ficou sabendo do burburinho que a novela Babilônia fez? Não sabe de qual novela eu estou falando? Aquela que tem duas senhoras que se beijam e maior problema das pessoas é porque elas são senhoras e se beijam, sabe? Porque idosos não se amam, pelo pensamento dessas pessoas...
A família tradicional brasileira, pessoas mais velhas e os próprios idosos infelizmente ainda concordam com esse absurdo dessa polêmica. Ainda existe o discurso de que é uma escolha, não tem nada a ver com genética, que não é normal, classificações de pessoa normal e não normal e muitas dúvidas na cabeça dessas pessoas. Já participei de conversas com todos esses temas juntos e é dela que vou tratar.
A conversa começou com uma senhora dizendo o quão achava um absurdo aquelas duas senhoras se beijando na televisão, junto do argumento que o problema não é elas serem lésbicas, mas sim idosas lésbicas... Como se a pessoa não envelhecesse, como se fosse só uma fase de um jovem rebelde querendo irritar a mãe. Meu argumento? Perguntei se ela não envelheceu com que seu marido, se eles ainda se beijavam e qual era a porra da diferença (sem o porra). Só se ouviu silêncio, até que a situação podia sim piorar! Começar a dizer que não era normal mas apoiava, já foi em bar gays e até deixava pessoas que não são normais entrarem na casa dela... Se fosse homofóbica, nem deixaria. Nossa que belo argumento!

Que vontade de partir para agressão, mas haviam dois empecilhos: Ela era uma senhora, e (in)felizmente fazia parte da minha família.


Feminismo. Assunto Polêmico certo? Só não mais polêmico do que a feminista mais desligada e burra que já conheci. Amo feministas, aliás, sou uma feminista com muito orgulho... Se atente, eu disse feminista não femista! Hoje em dia há uma leve confusão entre os dois. Não há problema em ser feminista, aliás, é só amor, desde que se informe e não saia soltando frases prontas que ouve por aí ou simplesmente falar de opressão como não-opressão ou vice versa.
Sempre odiei esse femismo, SIM, femismo que ataca os homens, prega um monte de asneira generalizando e com um escudo na defensiva, ugh! Esse femismo que silencia, mas não pode ser silenciado, e pior de tudo se diz feminista, ai que vergonha. Mas vamos ao que interessa, a feminista (Ou seria femista?) mais desligada e burra que já conheci. Eu poderia crucifica-la por diversas coisas erradas ou bobagens, mas a minha paciência foi levando, empurrando com a barriga sabe? Até que eu explodi e me senti até ofendida, e pensando COMO? VOCÊ E A SUA IDEOLOGIA? Você e a sua defensiva? Fiquei muito indignada.
Para começar a explicar o acontecimento catastrófico, lembrarei de um texto que vi passeando pela nossa querida internet, onde uma moça tinha ido para algum dos países em que as mulheres usam burca, nesse texto ela dizia que conversou com a mulher que usava burca pois estava muito calor e perguntou como conseguia, se não podia usar saia, roupas mais confortáveis para o clima. E o que a mulher respondeu? Falou da depilação, se doía tanto por que a outra fazia, mas que ela podia não fazer não é? Mas o que aconteceria culturalmente falando? Seria mal vista, excluída, apedrejada... Exatamente o sentimento da moça com burca.

Compreenderam a opressão que está imposta? A cultura? Que você é obrigado sem perceber? Que o livre arbítrio é arrancado de você pelo seu medo de não fazer parte da sociedade? Então, a feminista que eu falei no começo simplesmente falou a maior bobagem em relação à isso... Num bate papo qualquer entre amigos chegamos no assunto depilação, houve a brincadeira de depilar um homem para ele sentir a dor e o sofrimento, e lá vem a frase “Ué, você não é obrigada a se depilar, se você não quiser é só não se depilar, fica toda com pelos”. A resposta? “Éaar...” e uma raiva subindo dos pés à cabeça, parte por parte, osso por osso.


Você gostaria de saber a razão do clima ter mudado né? Qual a razão de tudo isso? O clima estar fofo, mas ainda assim estranho...  Relaxa, eu vou te contar. De um tempo pra cá as coisas andam numa corda, um atacando o outro com coisas desagradáveis, e infelizmente eu posso ser chamada de uma pessoa rancorosa nessa situação, e sou. Enquanto eu me preocupo porque você tem n coisas para fazer no dia e dorme, pela sua mente eu estou te esculachando, o que eu faço de melhor aliás; Daí fica passando pela minha cabeça, ele queria ter feito isso, isso e isso, no final se desprende de tudo e dorme mais uma vez, chego a pensar se é normal.
A preocupação, o bem querer de repente virou ofensa. Você me diz que está de dieta e que eu preciso te ajudar a andar na linha, não destruir a dieta em um dia, só que se eu digo para não beber coca. não comer isso, ou dar qualquer toque eu viro um monstro. Se há alguma brincadeira dentro disso, já fica irritado, porque eu faço isso o tempo todo... Sabe, é realmente ter algum clima em situações dessas.
Para melhorar, eu tive esse mês e essa semana "lindos", pedra atrás de pedra, esporro atrás de esporro, fatigada, nervosa, entristecida, desanimada, cansada... E a última coisa que eu precisava ter era essas pedras jogadas em mim, por trás do seu nervosismo.


Ela acorda de manhã e se depara com uma Carta:

E ele? Ah... pra ele é tudo tão diferente; Ele não faz testes pra ver a reação dela, jamais faria... Segredos? Muitos entre eles, tão gostosos de se guardar, tão gostosos de se viver. Confiança? ele confia, cegamente, ele sente o amor dela, só de olhar em seus olhos sabe que são sinceros, simples assim.
 Ele também deixa tanta coisa de lado! Deixa o esporte, os estudos, até a família, qualquer coisa, só pra estar com ela, pra ajuda-la. Aliás, quando o assunto é ajudar, ele rapidamente se prontifica, está lá pra qualquer coisa, sempre, ajuda nos trabalhos, ajuda com a insegurança dela... Ahh a insegurança dela, uma constante que os acompanha desde o primeiro encontro, insegurança que ele insiste em fazê-la perder, e ela, sem querer, resiste.
E as partes chatas? Discussões, brigas, pelos mais variados motivos: As poucas e sérias foram superadas, todas, e rápido; das outras, por bobagens, ele já nem lembra. E as opiniões diferentes? Ah, ele adora um diálogo, uma conversa, um debate... adora defender uma tese. E ela? Bom, às vezes ela briga por suas teses, só se esquece de avisar pra ele que está brigando.
 Mas no fim das contas tudo isso pouco importa pra ele, e quando ele olha pra tras e pra frente, tudo o que ele vê é uma história incrível e um futuro promissor, pois apesar das diferenças, enormes, os olhos dele brilham por ela, com uma intensidade que só cresce, mesmo quando ela põe o seu amor, tão grande, em cheque. Enquanto ela acha que fala com as paredes, ele ouve atento a cada detalhe, e se preocupa com ela talvez até mais do que ela mesma


No mesmo dia ela se encontrava no fundo do poço, e se reergueu. E caiu, e reergueu. E caiu de novo. Nesse mundo tão inexplorado e dito somente como glamour, poucos conseguem imaginar os sentimentos que passam por todas as etapas. Nele, existe principalmente o duelo, a rivalidade, o vencer... As pessoas são egoístas e só pensam em si próprias e o que ganhariam com isso, quem é melhor que quem, quem está mais bem vestida, quem é o vencedor. O desafio está justamente que as pessoas vão cooperar e trabalhar umas com as outras, mas obviamente, elas tem que se aproveitar de alguma maneira, puxando o tapete por exemplo quando alguém é bom demais.
Uma vez ouvi uma história de uma menina muito esforçada e determinada, principalmente perfeccionista. Não era organizada com nada, sua cama era uma bagunça, sua escrivaninha e sua vida era uma bagunça, mas quando se tratava da faculdade, era uma magia. Todos os seus trabalhos organizados e completos antes mesmo da data, quer dizer, se dependesse só dela. Nas aulas de desenho, se algo era para daqui um mês no mesmo dia já tinha terminado, mesmo que lhe retirasse seu dia inteiro. Tinha um objetivo e uma motivação: Eu faço tudo, antes do fim de semana e posso sair!
Até que um certo dia, na sua faculdade houve um projeto, como qualquer outro... Porém, tinha um pequeno empecilho, um grupo. Um grupo que ela carregou por ser perfeccionista, um grupo que ela carregou por gostar de fazer tudo certo e na data correta, um grupo que quase virou ela só. O mundo dá moda te faz de burro de carga se é bom demais em alguma coisa e deixa isso visível, com vontade aprender e melhorar. Essa garota? Está tentando vencer esse grupo, depois de coisas mal feitas e feitas de última hora.


A Madre Teresa, como agora é chamada... Já fez e faz muita coisa errada, ela já mentiu pra se proteger, por medo e até por alguém. Essa menina é um mistério sem fim, e consegue guardar o maiores segredos com ela, é como se tudo fosse um teste para ver a sua reação sabe? Até onde aguenta essa complicação absurda. Te esconde muitas coisas e não deve ser confiável mesmo, afinal de contas já te escondeu duas coisas, apesar de ter contado um tempo depois. Aliás, foi só duas? Ou foram mais?
Ela deixa os amigos de lado pra ficar com você, ela tenta te ajudar e 80% das vezes leva patada. Ainda se sente insegura em relação à aparência, personalidade e o fato de saber que não está nem perto de qualquer idealização que teve em todos os seus anos de vida. Essa mulher é incrível, ou pelo menos deveria ser pra você... Mas está mais que desconfiada que perdeu o encanto do primeiro encontro, primeiro beijo e primeira transa. Aliás, essas coisas já passaram não é? Agora vem a parte chata: Discussões, drama, problema, julgamento, discordar de idéias e de quase tudo.
Às vezes, ela se sente mal por você não saber o por quê de se desculpar, mas se desculpa. Não tá explicito? Ela também guarda suas angústias e joga num blog qualquer que nem uma das suas melhores amigas lê mais, e a única leitora, é ela mesma.


Não bastava ter me salvado do fundo do poço que eu estava, me apresentar universos desconhecidos, me ajudar no amor próprio e confiança, ajudar a enfrentar qualquer obstáculos que existir pela frente, não me deixar abalar pelas pessoas ao meu redor, acreditar em mim mesma me ensinar o que é ser amada de verdade...Você o foi meu herói mais um dia, me salvou. Parece coisa boba, esses detalhes do dia, mas pra mim significa tanto,  nem os amigos mais intimos e familiares mais próximos fariam por mim, creio eu. Muitos diriam "Se vira", "não é da minha conta", ou ser direto dizendo que não faria isso por mim, que tem coisas mais importantes. Você não, é diferente de tudo que já conheci e presenciei, a bondade em pessoa, o amor transbordante. 
Você fez questão de me ajudar quandoeu não sabia onde estava, me perdi pegando o ônibus errado e estava chorando numa rua que pra mim, parecia desconhecida. Não ficou bravo, não achou que eu te atrapalhei e até soltou "você podia se perder todo dia pra gente se ver né?" com um sorriso de lado. Sabe, acho tão doce e cativante tudo que você deixa de lado de por mim, pra me ajudar, pra cuidar de mim... "Mesmo se não desse pra te ajudar, eu viria do mesmo jeito. Eu nunca iria te abandonar". 
Enquanto eu passei o dia me desculpando por atrapalhar sua rotina e agradecendo por ter me ajudado, você simplesmente foi você, e isso sempre vai ser a coisa mais linda do mundo. Meus olhos brilham por você, eu brilho por você.


Faz tempo que não escrevo algo que tenha você, não é? Relaxa, que esse será o ultimo. Sinceramente, tenho pensado bastante ainda no que você me fez. Em tudo. Chega a ser desagradável para mim, a quem está ao meu redor, a vida que construí no momento. Logo, eu pretendo reunir o todo, desabafar, para me desligar de vez, apagar da minha memória, de uma vez por todas.
Você mentiu, mas não foi uma mentirinha boba, você mentiu de todas as formas possíveis. Dizia cada absurdo, e eu acreditava e acreditei. Um atrás do outro. Tinha todas as profissões em um só, trabalhou com eventos de show, barman, informática, jogador profissional de jogos, e até empresário já foi. Conhecia vários artistas, bandas, e os seus contatos imprescindíveis. Duas faculdades não concluídas, gastronomia e psicologia. Tentou comprar sua própria casa três vezes e sempre dava algo errado por pura coincidência, numa inclusive fora roubado dentro do seu próprio condomínio. Tinha um carro, vendeu, comprou outro... Nunca o vi. Ganhava mais de oito mil por mês, processou uma empresa e tecnicamente ficou milionário. 
Fez uma tatuagem de graça com uma amiga que dizia que era lésbica, e me proibiu de ir junto porque precisava pensar. Inventava desculpas pra não me ver, inclusive doenças sérias. Brincou com meu sonho, dizia me dar uma empresa de moda. Brincou com a sua familia, inventando histórias absurdas, se dizia alérgico a cigarro mas fumava escondido. Se dizia depressivo, esquizofrênico, com síndrome do panico e claustrofobia. Tudo isso, com apenas vinte e três de idade.
Fui a pessoa mais ingênua, apaixonada e burra. Sim, caí em todas suas mentiras, nunca esqueci. Me magoei. Mas decidi me desvincular desse ódio, rancor, mágoa e tudo de ruim que ficou impregnado em mim.  É o fim. Preciso viver minha vida, sem relembrar toda a confusão que passei, e substituir por um branco, um apagão, seguir em frente sem medo de confiar na palavra de alguém.


Pai,
 na sua idade não era preciso ouvir sermões, dos pais e nem mesmo dos seus próprios filhos, mas ainda ouve bastante né? Não era para existir brigas e discussões bobas como se fosse um adolescente inconsequente, nem seus filhos estão nessa fase, porque justo você deveria estar? Eles estão em fase de amadurecimento, virar adultos. E você? Você já é um adulto! E com a sua vivência deveria estar tão puro, sábio e com a energia boa, como você mesmo diz.
Todos os orgulhos, coisas que lhe fazem mal, ódio, raiva, intolerância, nervosismo, não saber ouvir, não aceitar a verdade, não conseguir lidar com idéias diferentes, ser chato quando não deve  pense como seria se alguém lhe chateasse no meio da sua meditação? Tudo isso, tinha de ter sido deixado pra tás, nessa jornada chamada vida. Aí sim, seria um sábio, ou qualquer coisa que dissesse.
Você é o exemplo para os seus filhos, se for intolerante, eles não acharam problema, não acha?
Você é tão teimoso quanto um bebê que não entende nada da vida, mas a tristeza é que você entende dela. Isso faz mal tanto para você, quanto para os outros! Põe a mão na consciência uma vez, ninguém deveria estar te dizendo isso, mas essa é minha última tentativa.
Segura o choro! Eu sei que quer chorar que nem um bebê e sair pedindo desculpas. Conselho: Não 
adianta, tem bolas de neve enormas dentro de cada um que tem machucado, desculpa não conserta.
Podia perder meu tempo, dizendo para você mudar, fazer uma terapia, mas isso só vai lhe ofender a ponto de arregalar os olhos e bufar que nem um touro bravo.
Olhe ao seu redor, observe, todos fogem de você, ninguém aguenta esse seu jeito, eu tento lhe fazer um agrado para ficar uns dias ao seu lado, mas me dói, me machuca, eu sofro. Não aguento.
Dizer "Eu te amo" não adianta. 
Dizer "Você vai sentir falta, menina" irritado não adianta.
Cresça, e amadureçam como seus filhos!
Alcance a paz que tanto pega, mas quem está ao seu redos não enxerga.
Não é por acaso, meça seus atos.

, de sua filha.


Yasmin odiava carnaval, porém o amor por Beto era maior. Nisso, fez um feito de amor e topou o desafio, ir num bloco... Em sua companhia. Ela não dava nada por aquele lugar, acreditava que ficaria de cara emburrada e entediada o tempo inteiro. Ficou assim... Na primeira meia hora somente. Afinal, os amigos do Beto estavam lá também, na tentativa de arrancar um sorriso dela, e não é que conseguiram?
Alguns conseguiram com mais êxito fazê-la se divertir, outros, nem tanto. Ela fez a descoberta de que aquela pessoa que na sua mente a odiava, na verdade era só fruto de sua imaginação, de ódio nada tinha. Pode rir, sorrir, conversar e destruir alguns conceitos mal encarados que tinha visto como verdade.
Houve muita paixão, beijo e eu te amos ente esse casal recém-chegados. Houve mais diversão que o previsto. Choros de alegria, de tanto rir, abraços confortantes, dividir uma canga com alguém por causa do frio, perder o lugar onde o carro está estacionado, pegar chuva, mais chuva, um dilúvio! Passar pelo bloco mais uma vez no meio dessa procura insana, dar voltas e voltas, finalmente achar o carro!
Se sentir em outra realidade, que demora, nossa que demora! A gente tá perdido? Quantas horas passaram? Meu deus, passou umas três horas! Haha, na verdade, foram só quinze minutos. Risadas e mais risadas no meio dessa realidade louca.
Até esse ponto muito divertido e aventureiro, é de assumir... Mas em pouco tempo isso muda, Beto começa a se sentir esquisito, estranho e pede um tempo pra descansar. Nisso, Yasmin está morrendo de frio, a janela do carro não pode ser fechada, e se sente encurralada por essa situação.
Foram duas horas de "Deixa eu descansar só mais um pouquinho..." até ela pedir um esforço para sair do carro. Ele põe o pé para fora do carro e passa mal. Lá se vai mais um hora de descanso para Beto.
Nesse ponto da história, Yasmin surta e pede a chave de casa, porque precisa de um banho quente. Ele não dá a chave, e sim se esforça novamente, a ponto de conseguir entrar no quintal... E passa mal. Yasmin, encolhida, e os pais de Beto vem ajudá-lo.

Dá para ficar dividida se foi bom ou não esse bloco não é? Muitas aventuras opostas em um dia só!


Aquela garota era uma montanha-russa de pessimismo e alguns shots de drama, porém acompanhada de um parceiro otimista, por agora. Às vezes achava que ele vivia no mundo das fadas ou dos unicórnios. Mal sabia Rayssa que essa onda que ele lhe trazia era um dos seus maiores bens. Nem parecia que  esta garota havia lido Pollyanna e este livro maravilhoso mudado sua vida um dia.
Mas finalmente ela parou para pensar. Desde o dia que fez uma limpa do que presta e não presta em sua vida, finalmente as coisas andaram, objetivos foram alcançados, sorrisos muito mais expostos e aproveitados. Rayssa focava no que não tinha sido, ainda. Não era acostumada a olhar pra trás, enxergar as conquistas, os crescimentos e aprendizados. E houve uma melhora e tanto, vários objetivos alcançadas, metas cumpridas.
Ah, a felicidade... Têm tido, e bastante, transbordado aliás. Os quilos perdidos foram recuperados, pisa na balança com alegria ao ver os quilinhos a mais. Lágrimas? Foram trocadas por sorrisos, risadas e uma coisa dentro de si tão boa, que chega a ser indescrítivel. Há notícias e mudanças maravilhosas. Talvez seja esse tal de destino, que há cerca de seis meses atrás colocou um tal anjo na minha vida, que apareceu pra ficar.

"Ah, só falta um estágio, e vou alcançá-lo!"


O ano vira, e você passa a perceber a corja de babacas que andou à sua volta por um longo tempo. Babacas pelo simples fato de não aceitarem uma mudança sequer... O que não faz muito sentido, afinal de contas, a vida é feita disso, certo? Você muda de roupa, você cresce, você muda de cabelo, de estilo, de opinião,gosto musical, gosto literário, de amigos e até de amores. Um dia eu sou de esquerda, outro centro, outro direita, e outro não sei o que sou, qual o problema disso? Deixe-me mudar!
Com a virada do ano, você olha para si mesmo, dentro do seu mais profundo eu, que certas pessoas nem conhecem, e nem nos sonhos são capazes de chegar perto disso. E olhando nesse tal baú bem profundo, é perceptível que só tem críticas ao seu eu passado. "Como eu era x, como eu era y" "Ainda bem que eu mudei". E não é preciso ser uma mudança a cada dia 31 de dezembro ou 1° de janeiro, não pra mim. Estou em constante mudança, e não estar é um retrocesso. Ontem, eu era uma, hoje já não sou mais, os acontecimentos ao meu redor, as vivências e o próprio  enjoar por um momento do que me tornei faz com que eu não seja mais eu mesma. Interesses e desinteresses passam por minha cabeça.
Talvez, é, talvez seja aquele drama desnecessário e crise à respeito dos 20 anos que estão logo ali, quase tocando a campainha ou batendo na minha porta para dizer um sorridente olá, que de fato, pode me entristecer um pouco.  Que crônica otimista para um começo de ano, não? Não lhe obrigo a ler minhas crises, entendê-las, muito menos me ajudar. Outra mudança, que posso dizer que a virada de ano me deu de presente, ser orgulhosa em algumas coisas, como me ajudar depois de muitos coices levados.
Penso no futuro ao mesmo tempo que estou tão maravilhada com o presente e as oportunidades desconhecidas que podem estar por vir. É confuso, e de maneira alguma quero carregar qualquer ser para essa confusão comigo. E de repente, pego meu escudo, que por mais que eu tente, ele estará ali para sempre. Me fecho completamente, e visto minha capa da timidez.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...